CineTV Contest: More justice for “Resident Evil”.

in CineTVlast month (edited)

This publication was also written in SPANISH and PORTUGUESE.

01.jpg

Market Research Telecast

In 1996, CAPCOM created a game that would soon become one of their main and most profitable projects: Resident Evil. It didn't take long and the game became a phenomenon of critics and also a fever among the players, bringing a huge profit for the company and a lot of happiness for the players who appreciate this type of story. Naturally, sequels were created over time and with so much success accruing, a movie adaptation was inevitable. Then, in 2002, the franchise gained its first live-action version and the problems began.

Directed by Paul W.S. Anderson and starring Milla Jovovich, the movie even manages to evoke the spirit of the game in some very specific moments (mainly by using, of course, Umbrella and Hive as references to the original material), but unfortunately, despite some brief hits, the balance is very negative for several reasons that I will try to describe throughout this post and at the same time, I will try to say how I would create a new reboot or remake in a way that would be more correct (considering what I think is useful in these types of projects).

02.jpg

IMDb

One of the biggest problems with this movie's script (and which unfortunately extends to all its other sequences) is to escape its essence by creating artifices to try to show on the screen what does not exist in the game. Perhaps, what bothers me the most in this aspect is the fact that the screenwriters have chosen to create a new character to be the protagonist of the movie, ignoring the fact that there are already characters for this role. The need to please everyone (those who know and also those who don't know the game) was wrongly mixed up and created a big mess.

The narrative line doesn't exactly match the essence of the game, and from the first movie (full of minor secondary characters) the problems are there. A weak script, combined with a confused and lazy direction only makes the project worse. Trying to create a movie adaptation of a video game without respecting the reasons that made it amazing is literally creating a project that was already dead. However, the greed that reigns in Hollywood doesn't stop and that's why more bad sequences continued to be made.

03.png

Film Music Central

From my point of view, the first thing I would do to create a minimally decent reboot (or remake) would be to respect the originality of the work I'm trying to adapt. This includes from the names to the physical characteristics of each character. Iconic locations that bring the audience into the movie would also be a must for me, but I would expand on the vision of these settings and offer the audience a more detailed immersion in everything they were going to see. Colors, lights, objects, classic camera angles... Everything in the game would be on the screen.

It's not necessarily about recreating the game with humans playing the game's respective characters. It's about being true to the material I'm using as a basis for my writing. Allied to fidelity, I wouldn't forget to add my own touch of originality, bringing new scenarios and characters that would really be able to turn the script into something firm and sustainable so that fans of the game could enjoy the movie as much as those who don't know. absolutely nothing about it. It wouldn't be easy, but it wouldn't be impossible.

04.jpg

My Creative Ramblings

Another thing I would do is use less CGI special effects and use more practical effects. This mainly applies to the big monsters, because it would bring more credibility and a more real scary potential to the more tense scenes where the suspense would be connected with a heavy instrumental soundtrack. Creating action scenes with impactful effects would be another strong point in my script, because I see that in the movies, although there are some good action scenes, they are not explored so much as to become something unforgettable.

Regarding the direction, there could be no lack of courage to dare and walk through different paths. Innovations are always welcome and even if they are not always something positive, they serve as a lesson to be improved in future projects. However, considering how this franchise has already made mistakes in its adaptations, innovating in the right way would not be so difficult for anyone who was really committed to directing this movie with a more critical eye and with a more evident attitude. It's not just about turning on a camera and letting things happen.

05.jpg

Acid Horrors

Finally, casting a competent cast and getting the best out of their work would be essential. I understand that these types of movies usually don't take into account good performances, but this is a critical point in building loyalty to the story being told. All these aspects that I mentioned in this text would be extremely important and valid to make Resident Evil reach the big screens of cinemas in the proper way. Perfection doesn't exist in any movie (because they all have their flaws), but we can come close.

This is my post for the contest Your Dream Reboot or Remake, which has been promoted by CineTv community .


Concurso CineTV: Más justicia para “Resident Evil”.

En 1996, CAPCOM creó un juego que pronto se convertiría en uno de sus principales y más rentables proyectos: Resident Evil. No pasó mucho tiempo y el juego se convirtió en un fenómeno de crítica y también en fiebre entre los jugadores, trayendo una gran ganancia para la empresa y mucha felicidad para los jugadores que aprecian este tipo de historias. Naturalmente, las secuelas se crearon con el tiempo y con tanto éxito acumulado, una adaptación cinematográfica era inevitable. Luego, en 2002, la franquicia obtuvo su primera versión de acción en vivo y comenzaron los problemas.

Dirigida por Paul W. S. Anderson y protagonizada por Milla Jovovich, la película incluso logra evocar el espíritu del juego en algunos momentos muy específicos (principalmente usando, por supuesto, Umbrella y Colmena como referencias al material original), pero desafortunadamente, a pesar de algunos breves aciertos, el balance es muy negativo por varias razones que tratare de describir a lo largo de este post y al mismo tiempo, tratare de decir como crearia un nuevo reboot o remake de una manera mas correcta (considerando lo que pienso es útil en este tipo de proyectos).

Uno de los mayores problemas del guión de esta película (y que por desgracia se extiende a todas sus demás secuencias) es escapar de su esencia creando artificios para intentar mostrar en pantalla lo que no existe en el juego. Quizás, lo que más me molesta en este aspecto es el hecho de que los guionistas hayan optado por crear un nuevo personaje para que sea el protagonista de la película, ignorando que ya existen personajes para este papel. La necesidad de complacer a todos (a los que saben y también a los que no saben el juego) se confundió mal y creó un gran lío.

La línea narrativa no coincide exactamente con la esencia del juego, y desde la primera película (llena de personajes secundarios menores) los problemas están ahí. Un guión débil, combinado con una dirección confusa y perezosa solo empeora el proyecto. Intentar crear una adaptación cinematográfica de un videojuego sin respetar las razones que lo hicieron increíble es literalmente crear un proyecto que ya estaba muerto. Sin embargo, la codicia que reina en Hollywood no se detiene y por eso se siguieron haciendo más secuencias malas.

Desde mi punto de vista, lo primero que haría para crear un reboot (o remake) mínimamente decente sería respetar la originalidad de la obra que intento adaptar. Esto incluye desde los nombres hasta las características físicas de cada personaje. Los lugares icónicos que atraigan a la audiencia a la película también serían imprescindibles para mí, pero ampliaría la visión de estos escenarios y ofrecería a la audiencia una inmersión más detallada en todo lo que iban a ver. Colores, luces, objetos, ángulos de cámara clásicos... Todo en el juego estaría en la pantalla.

No se trata necesariamente de recrear el juego con humanos interpretando a los personajes respectivos del juego. Se trata de ser fiel al material que estoy usando como base para mi escritura. Aliado a la fidelidad, no me olvidaría de añadir mi propio toque de originalidad, aportando nuevos escenarios y personajes que realmente pudieran convertir el guión en algo firme y sostenible para que los fans del juego pudieran disfrutar de la película tanto como aquellos. quien no sabe absolutamente nada al respecto. No sería fácil, pero tampoco imposible.

Otra cosa que haría es usar menos efectos especiales CGI y usar más efectos prácticos. Esto se aplica principalmente a los grandes monstruos, porque aportaría más credibilidad y un potencial más aterrador real a las escenas más tensas donde el suspenso estaría conectado con una banda sonora instrumental pesada. Crear escenas de acción con efectos impactantes sería otro punto fuerte en mi guión, porque veo que en las películas, aunque hay algunas buenas escenas de acción, no se exploran tanto como para convertirse en algo inolvidable.

En cuanto a la dirección, no podía faltar valor para atreverse y andar por diferentes caminos. Las innovaciones siempre son bienvenidas y aunque no siempre son algo positivo, sirven como lección a mejorar en futuros proyectos. Pero teniendo en cuenta que esta franquicia ya ha cometido errores en sus adaptaciones, innovar de la manera correcta no sería tan difícil para quien realmente se comprometió a dirigir esta película con un ojo más crítico y con una actitud más evidente. No se trata solo de encender una cámara y dejar que las cosas sucedan.

Finalmente, sería esencial elegir un elenco competente y sacar lo mejor de su trabajo. Entiendo que este tipo de películas no suelen tener en cuenta las buenas actuaciones, pero este es un punto crítico para fidelizar la historia que se cuenta. Todos estos aspectos que mencioné en este texto serían sumamente importantes y válidos para que Resident Evil llegue a las pantallas gigantes de los cines de la manera adecuada. La perfección no existe en ninguna película (porque todas tienen sus defectos), pero podemos acercarnos.

Este es mi post para el concurso Your Dream Reboot or Remake, que está siendo promovido por la comunidade CineTV.


Concurso CineTV: Mais justiça para “Resident Evil”.

Em 1996, a CAPCOM criou um jogo que logo se tornaria um dos seus principais e mais rentáveis projetos: Resident Evil. Não demorou muito e o jogo se tornou um fenômeno de crítica e também uma febre entre os jogadores, trazendo um lucro imenso para a empresa e muita felicidade para os jogadores que apreciam este tipo de estória. Naturalmente, sequências foram criadas ao longo do tempo e com tanto sucesso acumulado, uma adaptação cinematográfica era algo inevitável. Então, em 2002, a franquia ganhou à sua primeira versão em live action e os problemas começaram.

Dirigido por Paul W.S. Anderson e estrelado por Milla Jovovich, o filme até consegue evocar o espírito do jogo em alguns momentos bem pontuais (principalmente por usar, obviamente, *Umbrella e Colméia como referências ao material original), mas infelizmente, apesar de alguns breves acertos, o saldo é bem negativo por diversos motivos que eu vou tentar descrever ao longo deste post e ao mesmo tempo, vou tentar dizer como eu criaria um novo reboot ou remake de uma maneira que fosse mais correta (considerando o que penso ser útil nesses tipos de projetos).

Um dos maiores problemas do roteiro deste filme (e que infelizmente se estende por todas as suas demais sequências) é fugir da sua essência criando artifícios para tentar mostrar na tela aquilo que não existe no jogo. Talvez, o que mais me incomoda neste aspecto é o fato de os roteiristas terem optado por criar uma nova personagem para ser a protagonista do filme, ignorando o fato de já existir personagens para esse papel. A necessidade de agradar a todos (quem conhece e também quem não conhece o jogo) foi erroneamente mesclada e criou uma grande bagunça.

A linha narrativa não condiz propriamente com a essência do jogo, e desde o primeiro filme (repleto de personagens secundários sem a menor importância) os problemas estão lá. Um roteiro fraco, aliado à uma direção confusa e preguiçosa só torna o projeto em algo pior. Tentar criar uma adaptação cinematográfica de um jogo de vídeo game sem respeitar as razões que o tornaram em algo incrível é, literalmente, criar um projeto que já nasceu morto. No entanto, a ganância que impera em Hollywood não para e por isso mais sequências ruins continuaram sendo feitas.

No meu ponto de vista, a primeira coisa que eu faria para criar um reboot (ou remake) minimamente decente seria respeitar a originalidade da obra que eu estou tentando adaptar. Isso inclui desde os nomes as características físicas de cada personagem. Lugares emblemáticos que trazem o público para dentro do filme também seria algo obrigatório para mim, mas eu iria expandir à visão desses cenários e oferecer a audiência uma imersão mais detalhada sobre tudo o que eles iriam assistir. Cores, luzes, objetos, ângulos de câmera clássicos... Tudo o que está no jogo estaria na tela.

Não se trata necessariamente sobre recriar o jogo com humanos interpretando os respectivos personagens do jogo. Se trata sobre ser fiel ao material que eu estou usando como base na minha escrita. Aliado a fidelidade, eu não iria esquecer de adicionar o meu próprio toque de originalidade, trazendo novos cenários e personagens que realmente seriam capazes de tornar o roteiro em algo firme e sustentável para que os fãs do jogo pudessem apreciar o filme tanto quanto quem não conhece absolutamente nada sobre o mesmo. Não seria fácil, mas não seria impossível.

Outra coisa que eu faria era usar menos efeitos especiais em CGI e usaria mais efeitos práticos. Isso se aplica principalmente aos grandes monstros, porque isso traria mais credibilidade e um potencial assustador mais real para as cenas mais tensas onde o suspense estaria conectado com uma trilha sonora instrumental pesada. Criar cenas de ação com efeitos impactantes seria outro ponto forte no meu roteiro, porque eu vejo que nos filmes, apesar de existirem algumas boas cenas de ação, elas não são tão exploradas a ponto de se tornarem algo inesquecível.

Em relação a direção, não poderia faltar coragem de ousar e caminhar através de diferentes caminhos. Inovações são sempre bem-vindas e ainda que nem sempre sejam algo positivo, servem como lição para serem melhoradas em próximos projetos. Mas considerando o quanto essa franquia já errou em suas adaptações, inovar da maneira certa não seria algo tão difícil para quem estivesse realmente comprometido em dirigir esse filme com um olhar mais crítico e com uma atitude mais evidente. Não se trata apenas de ligar uma câmera e deixar as coisas acontecerem.

Por fim, escalar um elenco competente e extrair o melhor do trabalho deles seria imprescindível. Eu entendo que esses tipos de filmes geralmente não levam em consideração boas performances, mas isso é um ponto crítico para fidelizar a estória que está sendo contada. Todos esses aspectos que eu mencionei neste texto seriam extremamente importantes e válidos para fazer Resident Evil chegar as grandes telas dos cinemas da maneira apropriada. Perfeição não existe em nenhum filme (porque todos eles têm os seus defeitos), mas nós podemos chegar próximo disso.

Este é o meu post para o concurso Your Dream Reboot or Remake, que está sendo promovido pela comunidade CineTv.

Sort:  

Obrigado por promover a comunidade Hive-BR em suas postagens.

Vamos seguir fortalecendo a Hive

Metade das recompensas dessa resposta serão destinadas ao autor do post.


The rewards earned on this comment will go directly to the people( @wiseagent ) sharing the post on Twitter as long as they are registered with @poshtoken. Sign up at https://hiveposh.com.

Realmente os efeitos poderiam ter sido feitos de forma a ser mais assustadores. Eu to muito empolgado com a serie nova de RE que vai vir esse mês na netflix. Espero que seja ainda melhor que as produções anteriores.
Obrigado por compartilhar.
!1UP
cartel_curator_final.gif

Eu to muito empolgado com a serie nova de RE que vai vir esse mês na netflix.

Queria poder dizer o mesmo, @lipe100dedos... Mas prefiro não criar grandes expectativas para o que está por vir.

1UP-PIZZA.png

You have received a 1UP from @lipe100dedos!

The @oneup-cartel will soon upvote you with:
@cine-curator, @ccc-curator, @vyb-curator, @pob-curator, @neoxag-curator
And they will bring !PIZZA 🍕.

Learn more about our delegation service to earn daily rewards. Join the Cartel on Discord.

PIZZA!

PIZZA Holders sent $PIZZA tips in this post's comments:
@curation-cartel(1/20) tipped @wiseagent (x1)

Join us in Discord!

Siempre he dicho que los guiones hacen la diferencia, ademas las ctuaciones no me gustaron mucho, creia que esta pelicula iba a ser un antes y un después en el cine de infectados pero no total decepción. De repenter George A. Romero hubiese sido mejor eleccion en la dirección con los efectos especiales de Tom Savini. Una grata sorpresa volver a verte por aquí. Saludos!.

George Romero + Tom Savini serían la combinación perfecta para un proyecto como este.

¡Gracias, @nbarrios67!